Fórmula Truck | Etapa de Interlagos/SP

Roberval vence em fim de semana impecável em Interlagos

Terça-feira, 21 de Julho de 2009, 20:42

Lucas Giavoni/UV

Roberval não deu chance à concorrência e fez o chamado 'Grand Slam' do esporte a motor

Redação ULTIMAVOLTA.com

Pole, vitória de ponta a ponta e melhor volta. Roberval Andrade (Scania) conquistou tudo em Interlagos, na quinta etapa do ano da Formula Truck, primeira com cobertura in loco do ULTIMAVOLTA.com. Wellington Cirino (Mercedes) também foi destaque, ao largar em último e chegar em segundo. Hisgué Benavides (Volkswagen) chegou em terceiro e ainda lidera a tabela. Beto Monteiro (Iveco) e Vig Fizio (Mercedes) completaram o podium paulista. Outra atração da etapa foi a Top Race, a stock car argentina.

Foi um fim de semana especial, tanto para a Truck quanto para o UV. A categoria vive seu plano de internacionalização, contando neste fim de semana com uma etapa da Top Race (TRV6) - categoria argentina tipo stock – vencida por Juan Manuel ‘Pato’ Silva e com a ilustre presença de Jacques Villeneuve e Cacá Bueno na pista. Os papeis se inverterão em Setembro: a Truck será recebida pelos argentinos no autódromo de Buenos Aires. E na condição de repórter especial, tive a oportunidade de fazer parte dessa atmosfera e, desta forma, escrever este texto especial.

A pouco mais de duas horas antes da largada, tive uma conversa rápida com Roberval. Caía uma garoa fina naquele momento, deixando a pista levemente úmida e bem mais fria. Ele nem se preocupou com a meteorologia volúvel. “A pista está boa, o caminhão está bom e o motor está bom”. Bom, bom, bom. Mais direto impossível. Mas não era excesso de confiança.

Orlei Silva/Fórmula Truck

Cirino fez uma incrível recuperação - largou em último e chegou em segundo

Mesmo antes de fazer a pole, o nome Roberval Andrade já era apontado como favorito nas conversas de paddock. Ele havia revisado seu caminhão Scania para a prova e então tratou de confirmar as expectativas. Marcou todos os pontos possíveis na etapa – um pela pole, cinco na bandeira amarela programada e 25 na vitória, após 27 voltas. Foi a terceira vitória dele no José Carlos Pace.

Wellington Cirino foi, sem dúvida, o outro grande nome da etapa. Com problemas no novo catalisador de seu Mercedes, optou por fazer uma regulagem com 200 cavalos a menos (o que ele chama de ‘receita’, desenvolvida pelo falecido Aurélio Batista Félix) e largou no fundo do pelotão, sem a peça. Ainda assim, escalou 24 posições em 14 voltas. E depois ainda confessou que nos dez (de 60) minutos finais da prova, preferiu poupar e garantir o segundo lugar, 2,5s atrás.

Único caminhão com motor 9 litros num podium cheio de concorrentes de 12 litros (favorecidos pelo desenho de Interlagos), Hisgué Benavides fez uma corrida pensando no campeonato – que acaba de chegar na metade. Tendo cruzado meio minuto atrás de Roberval e Cirino, Benavides teve sangue frio de ficar fora das disputas mais acirradas, que para a sorte dele, levou muitos a cometer erros – o mais freqüente deles, o excesso de 160 km/h do trecho com radar, posicionado na reta de chegada. Isso obrigou os apressados a pagar um stop and go na área de escape na Curva do Sol.

Lucas Giavoni/UV

O podium de Interlagos: Monteiro, Cirino, Roberval, Hisgué e Vig

Com o quarto lugar, Beto Monteiro fecha o que foi até agora o melhor fim de semana da Iveco na Truck – já que o outro piloto da marca, Adilson Cajuru, terminou em oitavo e Fred Marinelli, com sua equipe satélite, também somou uns pontinhos no começo da prova. Beto foi um dos que exagerou no radar – se não fosse isto, teria provavelmente alcançado o terceiro lugar. E o veterano Vig Fizio fechou o podium ao fazer uma corrida consistente e, assim como Hisgué, ficou longe das disputas roda a roda, trazendo seu Mercedes inteiro até o final.

A prova

Em resumo, a corrida foi a administração da liderança por parte de Roberval, a forte recuperação de Cirino e um festival de pilotos queimando o radar, empolgados com a disputa no retão de chegada.

Roberval é, sem dúvida nenhuma, o melhor piloto da Truck em largadas e relargadas. Por isso, não foi nenhuma surpresa quando manteve a liderança na bandeira verde. O que realmente causou admiração foi a ausência do segundo e terceiro colocados em suas respectivas posições. Cirino, como já mencionado, mexeu no motor e largou em último. Felipe Giaffone (Volkswagen) sofreu com defeito na bomba de óleo, deu uma volta na pista, com a corrida já iniciada, e então teve certeza que era tarde pra fazer qualquer coisa. Corrida natimorta para o campeão de 2007.

Lucas Giavoni/UV

Hisgué saiu de Interlagos com 30 pontos de vantagem na tabela

Na ausência dos dois, Fred Marinelli colocou seu Iveco particular na segunda posição e se manteve no posto até a bandeira amarela programada, na décima volta (20 minutos de prova). Ele segurou Geraldo Piquet (Mercedes) todo o tempo. Atrás destes, vários flagras do radar. Leandro Totti (Ford) foi o primeiro a ser pego, logo na terceira volta, fato que se repetiria para ele na sexta.

Os próximos a serem pegos pelo aparelho foram Monteiro e os companheiros de Volvo, Danilo Dirani e Fabiano Brito. Além destes, Djalma Fogaça (Ford) perdeu uma marcha na subida após a Junção e caiu várias posições. Com isto Hisgué, que largou em 11º, subiu para o quarto lugar na amarela programada, à frente de Brito, que voltas depois seria excluído da prova por não pagar sua punição de radar. Outro stop and go determinado pela direção de prova veio para José Cangueiro (Mercedes), que nocauteou Urubatan Helou Jr. (Ford) em manobra arriscada no miolo da pista, na terceira volta.

Retrovisor escurecido

Orlei Silva/Fórmula Truck

Cirino [1] passou Hisgué [2] como uma bala e depois superou o colega Piquet [3]

Volta 11, relargada. Enquanto Roberval continuava sobrando, Marinelli desta vez não teve como segurar Geraldo Piquet. Atrás destes, seguiam Hisgué, Brito e Fogaça, que logo receberia a desagradável notícia de ter queimado o radar e, não bastasse isso, cometeu um erro na Junção, ao tentar uma ultrapassagem e perdeu mais algumas posições, antes de abandonar com a embreagem quebrada.

Este foi o momento da prova em que Cirino começou a chamar a atenção. Na volta 12, já estava em quinto, à frente de Brito. No giro seguinte, superou Marinelli, que teve uma queda de rendimento e caiu para oitavo – receberia a quadriculada em nono. Em seguida, passou facilmente por Hisgué, que na coletiva de imprensa pós-prova, comentou o ocorrido em off com Roberval. O vencedor decidiu então compartilhar o diálogo com os jornalistas. “Ele [Hisgué], comentou que estava na prova. De repente, começou a escurecer o retrovisor. Daí ele falou isso por rádio. ‘Vem vindo uma tempestade?’. Ele disse: ‘Não, é o Cirino!’”. Todos na sala de imprensa caíram na risada.

Baixe aqui o áudio da coletiva com os cinco primeiros colocados (mp3)

Orlei Silva/Fórmula Truck

Monteiro chegou em quarto e provou a evolução do caminhão Iveco

Wellington continuou ‘al attacco’. Passou na volta 14 o companheiro Geraldo Piquet, que nas voltas seguintes, pagaria duas punições de radar, caindo para sexto no fim - atrás dos integrantes do podium. Roberval e Cirino, que seguia 6,3s atrás, começaram um jogo de perseguição e chegaram a virar até 2s mais rápido que o resto dos caminhões por um bom tempo – até os 10 minutos finais, quando ambos começaram a poupar equipamento. Isso explica o porquê da diferença tão grande dos dois para o resto do pelotão.

A ordem do podium – Roberval, Cirino, Hisgué, Monteiro e Vig - estaria formada após o problema enfrentado por Dirani na volta 25. O piloto da Volvo, que disputava o quarto lugar com Monteiro, cruzou em 13º, duas voltas atrás.

Instituto pé quente

Assim como na primeira das três vitórias que conquistou em Interlagos, em 2004, Roberval teve em seu Scania, na corrida deste domingo, uma menção ao Instituto Ayrton Senna acima do parabrisa. Foi uma homenagem aos 15 anos da instituição, criada pela irmã Viviane no ano da morte do piloto. “Eu sempre fui um fã incondicional do Ayrton e tenho uma verdadeira paixão pelo trabalho do instituto, um trabalho digno de todo reconhecimento e de todas as homenagens”, disse.

Lucas Giavoni/UV

Flagra exclusivo: o pneu dianteiro esquerdo do caminhão de Cirino logo após a prova

Confira o resultado da prova em Interlagos

1) Roberval Andrade (Scania/RVR Motorsport), 1:00.34.564
2) Wellington Cirino (Mercedes/ABF Competições), + 2.558
3) Valmir 'Hisgué' Benavides (Volkswagen/RM Competições), + 31.034
4) Beto Monteiro (Iveco/Scuderia Iveco), + 41.946
5) Vignaldo Fízio (Mercedes/Speed Vig Team), + 44.990
6) Geraldo Piquet (Mercedes/ABF Competições), + 56.498
7) Débora Rodrigues (Volkswagen/RM Competições, + 57.075
8) Adilson Cajuru (Iveco/Scuderia Iveco), + 1:17.624
9) Fred Marinelli (Iveco/Marinelli Competições), + 1:19.177
10) Gaston Mazzacane (Ford/ABF Competições), + 2:08.644
11) Renato Martins (Volkswagen/RM Competições), + 1 volta
12) José Maria Reis (Scania/Original Reis Competições), + 1 volta
13) Danilo Dirani (Volvo/ABF Competições), + 2 voltas
14) João Marcos Maistro (Volvo/Clay Truck Racing), + 4 voltas
15) Vinicius Ramires (Mercedes/RRT2), + 4 voltas
16) Pedro Muffato (Scania/Muffatão Racing), + 7 voltas
17) Leandro Totti (Ford/ABF Competições), + 12 voltas
18) Djalma Fogaça (Ford/DF Motorsport), + 12 voltas
19) Leandro Reis (Scania/Original Reis Competições), + 16 voltas
20) Adalberto Jardim (Ford/Terram Racing), + 18 voltas
21) Diumar Bueno (Volvo/Bueno Race Truck), + 21 voltas
22) Régis Boessio (Volvo/Boessio Competições), + 21 voltas
23) José Cangueiro (Mercedes/Mercalf), + 21 voltas
24) Urubatan Helou Júnior (Ford/DF Motorsport), + 23 voltas
25) Felipe Giaffone (Volkswagen/RM), + 26 voltas
26) Fabiano Brito (Volvo/ABF), desclassificado

A Truck inicia sua segunda metade em Londrina/PR que recebe a sexta etapa em 16 de agosto.