Indy | Sampa é a anfitriã

Indy abrirá temporada 2010
nas ruas de São Paulo

Sábado, 28 de Novembro de 2009, 11:48

Arquivo

Mar de prédios de Sampa

A mais cosmopolita cidade ao sul do Equador agora também receberá a Indy

Redação ULTIMAVOLTA.com

Nem Salvador, nem Ribeirão Preto, nem a favorita Rio de Janeiro. A cidade brasileira escolhida nesta quarta-feira (25) para receber a prova de abertura da temporada 2010 é São Paulo, a maior do hemisfério sul e cada vez mais voltada para o esporte a motor. Em 14 de março a Indy Racing League correrá em um inédito circuito de rua na capital paulista, que ainda está sendo estudado. Pesou para a decisão o próprio interesse da prefeitura do município, que deverá investir R$ 12 milhões no evento.

“A vinda da Fórmula Indy confirma a vocação de São Paulo para grandes eventos mundiais”, ressaltou o prefeito Gilberto Kassab. “É um presente para a população, que poderá ver de perto grandes carros e pilotos. E também é uma importante oportunidade de negócios para a Cidade, que se firma como capital do automobilismo na América Latina”, emendou o prefeito, ao lembrar-se do GP de Fórmula 1, principal evento comercial da cidade e realizado no Autódromo de Interlagos há duas décadas seguidas.

Sete propostas de traçado estão sendo estudadas pela IRL - quatro delas descartadas ainda antes do fim desta semana. Mas Kassab, em entrevista para a Rádio Bandeirantes, disse que a primeira opção é a de montar um circuito na região do complexo do Anhembi, localizado entre a Marginal Tietê e o aeródromo Campo de Marte. O Anhembi é composto pelo enorme pavilhão de exposições (onde se realiza, por exemplo, o Salão do Automóvel), hotel, palácio de convenções e o sambódromo.

Cidade de São Paulo

Anhembi

O complexo do Anhembi, jundo à Marginal Tietê, poderá abrigar toda a estrutura da prova

A escolha não é ao acaso. O complexo pertence majoritariamente à Prefeitura de São Paulo (apenas 23% estão nas mãos de investidores particulares) e seria de conveniência incrível para abrigar toda a estrutura para a prova. Entre as equipes e organização da prova, a prefeitura paulistana calcula que são esperadas mil pessoas na cidade. A prova de abertura da IRL 2010 será transmitida para 175 países.

As cidades derrotadas

Os planos iniciais da Indy para fazer uma corrida no Brasil, que já estavam confirmados desde o fim de julho, estavam concentrados inicialmente em três cidades. A primeira delas era Ribeirão Preto, no interior paulista, que era candidata única e exclusivamente por causa de seu ilustre cidadão Helio Castroneves, tricampeão das 500 Milhas de Indianápolis.

Salvador, outra candidata, havia acabado de projetar um circuito de rua para receber a Stock Car - mas o evento soteropolitano, realizado em setembro, não rendeu elogios por parte da crítica. E havia o Rio de Janeiro, a favorita para receber a prova. Já havia, inclusive, um projeto de pista nas largas avenidas do Aterro do Flamengo. No entanto, segundo Carlo Gancia, representante da IRL no Brasil, o prefeito carioca Eduardo Paes não quis levar adiante a negociação.

Mais business

AP Photo

Largada Indy

Mais do que corridas, a temporada 2009 foi de bons negócios para investidores brasileiros

As relações entre o Brasil e a Indy vão muito além dos atuais pilotos que compõem o grid da categoria - Helio Castroneves (Penske), Tony Kanaan (Andretti), Mario Moraes (KV), Raphael Matos (Luczo Dragon) e Vitor Meira (Foyt). O país está estreitando cada vez mais os laços com a categoria na questão dos negócios. Uma das medidas de maior impacto foi a adoção da IRL pelo etanol de cana brasileiro como combustível exclusivo - vetando inclusive o próprio etanol norte-americano feito de milho.

Outra medida foi a ação de publicidade da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), órgão governamental interessado em promover exportações de produtos nacionais, a serem conhecidos através das corridas.

E a iniciativa aparentemente deu certo. O presidente da Apex-Brasil, Alessandro Teixeira, apresentou no último dia 18 de novembro na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) os resultados obtidos com a participação de exportadores brasileiros na Indy.

Com investimento publicitário de US$ 10 milhões da Apex-Brasil na categoria, a temporada de 2009 encerrou-se com perspectiva de gerar cerca de US$ 370 milhões em exportações de bens e serviços de empresas nacionais, quase todos de alto valor agregado - apenas em software e tecnologia da informação (TI), as expectativas de contratos somam US$ 200 milhões.