As opções de Alonso


Enquanto o mundo discute, confabula e elabora as mais complexas teorias sobre a polêmica ultrapassagem de Hamilton sobre Raikkonen – que em minha opinião não teve nada de anormal, e se teve pouco importa, já que o grande prejudicado (segundo os comissários) não levou um pontinho sequer com a punição sofrida pelo inglês –, o circo da Fórmula-1 fará a sua 14ª parada em Monza, nesse fim de semana. Bom, como o que não falta no momento é gente falando sobre o episódio citado e todas as suas conseqüências, resolvi expor minha visão sobre um outro assunto que num futuro nada distante vai dar o que falar: o destino de Fernando Alonso na próxima temporada.

É uma história que se repete. Assim como no ano passado, o espanhol mais uma vez é a peça-chave que movimenta o mercado de pilotos para 2009. Tirando a Ferrari – sonho de consumo de Alonso, mas que já tem sua dupla garantida por mais dois anos –, há pelo menos três possibilidades para ele: Honda, BMW e a própria Renault, seu atual time.

Agora vamos aos fatos.

Creio que a tendência seja a Honda confirmar seus pilotos para 2009, mas eu não descartaria a possibilidade de termos Alonso lá por um ano. Mas isso, claro, só se não houver oferta melhor para o espanhol (e convenhamos, atualmente qualquer cockpit é melhor que o da equipe chefiada por Ross Brawn...). Como sabemos que isso é quase impossível (quem não quer Fernando?), coloco a Honda em último lugar na lista de opções.

As duas seguintes são fortes. Começando pela Renault, onde ele está e onde pode permanecer. Foi lá que ele escreveu seu nome na história do automobilismo. Teve tempo para crescer junto com a escuderia (foi peça fundamental, aliás), mas sua ida para a McLaren em 2007 deixou marcas na equipe francesa. Não há como não relacionar a saída de Alonso com a queda de rendimento da Renault durante toda a temporada passada. Voltou disposto a trazer a equipe novamente para o caminho das vitórias. Passou longe disso. Vem trilhando é um árduo caminho para conquistar pontos. É claro que a Renault pode voltar aos bons tempos em 2009, mas não vejo Alonso muito a fim de esperar para ver. Ele quer resultados, e aí chegamos à terceira opção.

Duvidava muito que ele fosse parar na BMW, mas os últimos rumores me fizeram associar algumas coisinhas. Ora, estamos falando de um piloto bicampeão mundial, de um cara que não está acostumado a perder. O que mais Alonso quer nesse momento é voltar a lutar por vitórias. E ele sabe muito bem que isso só vai acontecer se ele for para uma equipe de ponta. Nem o fato de ter um time trabalhando exclusivamente a seu favor o colocaria na briga pelo campeonato, se levarmos em consideração qual time seria esse. Se Alonso ainda tem alguma pretensão de título precisa mirar nas equipes principais. O problema são as vagas. Como a Ferrari por hora é porta fechada e para a McLaren ele não volta nem se mudar de nacionalidade e começar a ouvir hip-hop, resta a BMW para o ano que vem.

É uma grande possibilidade, e eu aposto todas as minhas fichas que é onde ele está mirando. A equipe mostrou uma queda de rendimento nas últimas corridas, é verdade, mas ainda sim é a melhor alternativa para o espanhol. E outra: eles têm ambições em comum. A BMW sonha com a afirmação na elite da Fórmula-1; Alonso, por sua vez, quer de volta o posto de melhor piloto da categoria. Seria um audacioso casamento. Talvez o que falta à equipe é justamente um piloto como Alonso.

Com Kubica e Heidfeld, a escuderia conquistou pontos importantes até agora. Mas mesmo o polonês sendo a maior promessa do automobilismo, ainda é muito jovem para liderar uma equipe. Essa tarefa caberia perfeitamente a Heidfeld, que é mais experiente. Porém, o alemão acabou ofuscado pela rápida ascensão de seu companheiro. Para completar, Kubica resolveu reclamar de um possível favorecimento a Heidfeld na Bélgica. Em meio a tudo isso, Mario Theissen, diretor-esportivo da BMW, afirma que não há nada definido para 2009. Em outras palavras, nenhum dos dois é nome para bater de frente com o de Fernando Alonso se ele entrar para valer na disputa por uma vaga.

Durante a semana, a emissora italiana de TV Sky divulgou que o espanhol teria assinado um contrato de três anos com a equipe alemã. Acho muito para quem pretende estar na Ferrari em 2011, mas também não duvido. Existe a chance de cláusulas rescisórias e outros afins que garantiriam ao bicampeão uma liberdade de negociação com a equipe italiana. A vontade de estar o quanto antes em um time forte é outro fator que reforça a informação da emissora. Alonso sabe que é desejado por todos, e se a BMW ainda não é o que chamamos de equipe de ponta, ninguém melhor do que ele para dar o empurrãozinho que falta.


Luana Marino